Textos com abordagem UX: Por que são necessários?

Ashley Rodríguez

06/01/2022

Textos com abordagem UX: Por que são necessários?

“A legenda não importa. Total, ninguém lê”. Muitas vezes ouvimos falar disso, até mesmo de vários departamentos de marketing. Embora seja verdade que as pessoas na web não leem, mas sim escaneiam os textos, eles ainda são vitais para a construção de interfaces e multimídia. Saber escrever textos com uma abordagem UX é vital para garantir conversões e uma experiência agradável.

Por isso, neste artigo iremos analisar a importância do conteúdo escrito, e também daremos algumas dicas para escrever textos com uma abordagem UX para qualquer público.

Por que precisamos dos textos? É possível se comunicar apenas com imagens?

Eles nos ensinaram que uma imagem vale mais que mil palavras, mas não somos capazes de expressar conceitos abstratos sem escrevê-los ou dizê-los explicitamente. E se você não acredita, tente imaginar uma constituição feita apenas de símbolos e figuras. Chegará o momento em que essas imagens serão insuficientes.

É aqui que entra a importância dos textos. Onde o redator de conteúdo, redator e até mesmo o redator de UX fazem sua mágica para explicar conceitos complexos em apenas algumas palavras. Fornecendo informações, explicando os benefícios e impactando as vendas do negócio.

E embora a tendência seja o audiovisual e a multimídia, os textos são a base para a produção, direção ou diagramação de todo esse conteúdo. Um erro no seu texto ou uma palavra errada podem desencadear consequências indesejáveis, desde não entender ou lembrar sua mensagem até uma crise de marca.

Expressar-nos claramente, concentrando-nos em nossos copies, é vital para a saúde de nossa marca.

O que vem primeiro, o conteúdo ou o design?

Este é um debate que existe em muitas agências de startups. O que focar primeiro? No design ou no conteúdo? E a resposta pode impressionar muitos, pois se trata do conteúdo. Começando com o briefing de que todo criativo precisa ser capaz de se sentar para criar, projetar ou escrever.

Aqui, o redator de conteúdo desempenha um papel muito importante em saber como transmitir a voz, o tom e os valores da marca. Uma vez no papel, é muito mais fácil traduzir ideias em formatos diferentes.

O conteúdo escrito é tão relevante que os desenvolvedores de interface preferem ter o texto primeiro, depois o layout. É claro que essa primeira redação não precisa ser a versão final, então os editores podem adaptar e cortar as ideias de acordo com as necessidades do momento.

Dicas para escrever textos que convertem

Um bom design sem bons textos, é apenas decoração. Assim como a cor de um botão pode fazer a diferença, as palavras que o acompanham também o fazem. Por exemplo, em muitos casos, os botões possuem verbos no modo infinitivo (Continuar, Baixar, Visitar) e tendem a ter um desempenho melhor do que aqueles no imperativo (Continuar, Continuar, Baixar).

Por isso, e mais motivos, é importante conhecer os segredos ou os bons para gerar textos que conduzam o usuário à ação que deseja.

Dê uma olhada nos gatilhos mentais

Os gatilhos mentais são interações, principalmente orais e não verbais, que incentivam as pessoas a agirem. Eles também são conhecidos como gatilhos mentais ou “mental triggers”. Eles são implementados colocando conceitos-chave em seus textos para convencer o leitor de que eles devem comprar de você.

Essas práticas apelam aos sentimentos e à parte neurológica dos usuários para que realizem uma conversão. Alguns exemplos de gatilhos mentais que podemos citar são:

>Escassez: lugares limitados!

>Urgência: A oferta termina em 24 horas.

>Reciprocidade: Leve este e-book como um presente!

>Prova social: 5 clientes 100% satisfeitos.

>A autoridade: Bill Gates faz o mesmo. E você?

Por outro lado, existem fórmulas para criar emails e até páginas de carregamento que são muito úteis na hora de escrever os seus textos. Este é o exemplo de PAS (Problema, Agitação, Solução) e AIDA (Ação, Interesse, Desejo, Ação).

Torne seu texto escaneável

Não há nada que assuste mais o leitor do que um pergaminho de texto. Se quisermos criar uma página agradável para os usuários, devemos lembrar quais são as formas mais comuns de escanear um documento online: O padrão de leitura F e Z.

Lembrar disso nos obriga a colocar sempre as informações mais importantes no início e no final do conteúdo. Outra dica é fazer com que seja fácil de digerir à distância, para isso, usar frases curtas, em negrito, até mesmo com marcadores pode tornar a leitura muito mais agradável quando se trata de muito texto.

Pratique empatia

Saber a quem estamos nos dirigindo é a chave para o desenvolvimento de ideias. Não adianta falar com alguém que simplesmente não compartilha do mesmo idioma, ou pior, dos mesmos valores.

Ser empático é a capacidade de se colocar no lugar dos outros. E se você puder entrar no personagem de outra pessoa, como os atores fazem, é ainda melhor. Para isso, estude muito bem o seu público, faça perguntas e, acima de tudo, não se deixe levar por seus preconceitos ou estereótipos implícitos.

Lembre-se de como toda marca tem sua Persona de Comprador. Revisar e estudar esta simulação semi ficcional de seu público lhe dará as pistas para gerar textos que ressoam com ela.

Edite, faça uma pausa e edite novamente

Ao longo da minha carreira, encontrei bugs em plataformas como o New York Times, Netflix e muito mais. Os redatores de conteúdo têm um grande número de palavras por dia e a velocidade das redes sociais deixa pouco espaço para sentar e aperfeiçoar. Principalmente porque nosso cérebro joga contra nós quando queremos revisar nossos textos.

No entanto, o segredo é encontrar momentos para se dispersar dessa escrita e depois voltar à edição. Isso nos permitirá não apenas detectar erros, mas torná-los mais curtos. Existe uma frase de Blaise Pascal que diz: ” Se eu escrevi esta carta tão longa, é porque não tive tempo de encurtá-la ”

Isso mostra o verdadeiro desafio de escrever para plataformas como o Google Ads, em que você tem no máximo 90 caracteres para descrever sua empresa. Ser breve é vital para esta profissão.

A morte do autor!

Uma das abordagens da literatura contemporânea é que o livro, uma vez escrito, pertence ao leitor. O autor torna-se uma entidade praticamente invisível onde apenas a interpretação e a imaginação de quem o está lendo contam.

O que isso tem a ver com o aumento das vendas? Pois bem, serve como um lembrete de que não estamos fazendo um texto para agradar ou nos satisfazer como escritores, mas para cumprir sua função junto ao usuário final.

Aqui voltamos a colocar em prática o que falamos antes: temos que focar na empatia e nos colocar no lugar do consumidor. Só então seremos capazes de soar com eles e obter conversões.

Conclusão
O conteúdo do texto está se tornando cada vez menos relevante para os algoritmos, mas ainda é encontrado em todo o nosso ecossistema: desde o momento em que preparamos o primeiro briefing, por meio do script, até a chamada para ação no final desse e-mail.

As palavras continuam a ter aquele efeito transformador, que nos diferencia dos outros e nos torna líderes de mercado.

Não tenha medo de pegar essas ideias e transformá-las em realidade, compartilhando-as com seu público!