Cuidado com a utilização indevida do nome da GhFly em processos seletivos! Saiba mais

Previsões para o cenário digital em 2022

Ashley Rodríguez

12/01/2022

Você já conhece as previsões para o cenário digital para 2022? Inovação, flexibilidade e aceleração digital continuarão este ano. Para empresas B2B e B2C.

Nos últimos anos fomos impactados por um grande evento global: a pandemia. Agora, não há um retorno. A aceleração da tecnologia, dos processos híbridos e da inteligência artificial só promete continuar avançando para este 2022 e para os próximos anos. Como líderes em tecnologia e comunicação, devemos acompanhar essas oportunidades digitais até 2022.

Previsões do cenário digital em 2022

Com tanto conteúdo na web, os usuários exigem mais qualidade e segmentação. Não adianta ter um anúncio super generalizado que impacta todas as pessoas. O público procura uma mensagem funcional, que tenha a ver com o seu ambiente e que ainda respeite a sua privacidade. Dessa forma, aprendizado de máquina, otimização de conteúdo e atendimento ao usuário se tornarão o norte das estratégias deste 2022.  

Os usuários terão mais receio acerca de seus dados 

Há uma preocupação geral sobre como anúncios não segmentados adequadamente geram conteúdo de baixa qualidade, o qual o usuário não está interessado em ver. Até 2023, espera-se que a desativação voluntária do rastreamento de dados diminua de 85% para 60%.

Isso significa que para conquistar a confiança do usuário é necessário gerar conteúdo de qualidade e garantir a proteção de seus dados pessoais. 

Maior flexibilidade na rotina 

Trabalho Home Office, trabalho remoto ou modalidades híbridas se tornaram o denominador comum mesmo após a pandemia. Isso também representa uma mudança na rotina, fazendo com que as pessoas tendam a consumir mais conteúdo no horário considerado de trabalho: entre 9 da manhã até 5 da tarde.

De acordo com as previsões para 2022 do Gartner, os funcionários gastaram 20% a mais de tempo visualizando conteúdo. Além disso, o crescimento de 60% se reflete no uso de plataformas de TV e streaming em horário comercial. 

A partir de agora, podemos ver uma variação no horário de pico do nosso público sendo muito mais flexível. Os horários de maior movimento podem mudar ao longo do ano, por isso é necessário continuar estudando os usuários para saber qual é o melhor momento para impactá-los com anúncios. 

Os colaboradores vão criar a credibilidade da marca

Como criar credibilidade na sua marca para os próximos anos? Tudo indica que será pelo sentimento de pertencimento dos colaboradores. Estudos indicam que 90% das redes sociais das empresas B2B estarão focadas em incluir programas de fidelidade com seus funcionários. 

Além disso, o LinkedIn mostra como quando os funcionários compartilham conteúdo relacionado às suas empresas, os cliques aumentam em 200%. Isso faz com que as publicações tenham aquele toque pessoal, orgânico e genuíno que é tão procurado nas redes sociais e consequentemente gera muito mais confiança. 

Isso representa uma oportunidade de incentivar sua equipe a compartilhar suas experiências dentro da empresa e, se possível, equipá-los com kits compartilháveis ​​para suas próprias redes sociais. 

Vendas B2B vão misturar processos virtuais e humanos

Segundo pesquisa do Gartner, até 2025, uma em cada cinco empresas B2B usará inteligência artificial e aprendizado de máquina para acelerar o processo de compra de seus consumidores. Os processos serão ainda mais digitais, porém isso não significa que o contato humano deva ser esquecido. Saiba quando seu cliente em potencial precisa de uma reunião com um representante de vendas para fazer uma compra bem-sucedida. 

Para aproveitar isso como uma oportunidade, é fundamental desenvolver processos que estimulem a interação entre a equipe de marketing e vendas, a comunicação e a colaboração entre esses departamentos serão vitais para o desenvolvimento de leads. Além de identificar ações que indiquem desinteresse em gerar propostas que não podem ser rejeitadas.

Influenciadores virtuais ganharão mais importância

Quando falamos de influenciadores virtuais nos referimos àquelas personalidades desenhadas em computador ou em CGI. O mercado para esses personagens fictícios está em constante crescimento com um valor de 14 milhões de dólares investidos na criação dessas “celebridades”. 

Isso representa muito mais liberdade para as marcas, levando em conta que seria mais fácil se alinhar aos objetivos da empresa, há menos chances de a celebridade sair da marca, ou de se envolver em algum escândalo.

Ao trabalhar ou projetar um influenciador virtual, é necessário saber o quão confortável o público está com esse tipo de personagem animado, levar em consideração um design semelhante ao seu público (longe de estereótipos de beleza irreais) e considerar real a colaboração com artistas ou criadores. 

As plataformas sociais são as lojas preferidas

As redes sociais ganham força como pontos de venda virtuais, principalmente nas gerações mais jovens. As estatísticas prevêem um crescimento de 60% quando se trata de compras por meio de plataformas sociais, superando até mesmo o e-commerce tradicional. 

Por isso, é preciso pensar em como essas plataformas se encaixam no processo de compra de nossos produtos ou serviços. Alinhar momentos de descoberta e conveniência em redes como Instagram, TikTok e Twitter será fundamental para fazer a diferença nos próximos anos.

A forma de fazer publicidade digital está mudando rapidamente. Pontos de venda e contato estão se confundindo, forçando as empresas a levar muito mais a sério conceitos como omnicanal e multicanal. 

Para acelerar seus resultados digitais, contamos com uma equipe especializada em performance. Não hesite em entrar em contato conosco!