Cuidado com a utilização indevida do nome da GhFly! Saiba mais

Acessibilidade no mundo digital deve ser prioridade

Sérgio Hneda

08/12/2021

Acessibilidade digital

Por Sérgio Hneda – Head of Digital Strategies LATAM na GhFly

A acessibilidade em ambientes públicos e privados é um direito individual – e garante que todas as pessoas tenham condições de utilizar, com segurança e autonomia, espaços, equipamentos, mobiliários e serviços. De acordo com dados do último Censo Demográfico do IBGE, no Brasil, 45 milhões de pessoas apresentam pelo menos uma necessidade especial, o que representa 23,9% da população brasileira.

Mas a acessibilidade não deve estar restrita a locais físicos. Assegurá-la significa transpor barreiras para a participação de pessoas em todos os âmbitos, inclusive o ambiente online – tão presente no dia a dia de tantos.

Com o objetivo de garantir a inclusão e acessibilidade no digital, no Brasil é lei. Conhecida como Lei da Inclusão (Lei nº 13.146/2015), o artigo prevê “acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente.”

Por que a acessibilidade digital é importante?

O uso da internet e dos aplicativos têm uma enorme importância no dia a dia dos usuários, seja para aqueles que utilizam sites e aplicativos para socializar, comprar, trabalhar, estudar, pagar contas ou se informar. E nada mais justo que esse acesso seja possível para todos.
O Brasil é um dos países com maior número de usuários da internet. Cerca de 152 milhões de pessoas navegam na web, representando 81% da população do país, segundo dados da pesquisa TIC Domicílios 2020 realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). Desses, aproximadamente 60 milhões precisam de pelo menos um recurso de acessibilidade online.

Contudo, e apesar da lei, a realidade da acessibilidade digital está bem distante do ideal no país: menos de 1% dos sites brasileiros são acessíveis e, assim, não estão preparados para a inclusão.

E o problema não é restrito ao Brasil: em 2019, 69% dos participantes de uma pesquisa realizada na Inglaterra disseram abandonar sites devido às barreiras de acessibilidade encontradas.

Mas de que maneira garantir acessibilidade digital?

Da mesma forma que é fundamental garantir acessibilidade para pessoas com deficiência em um ônibus, em uma universidade ou em um prédio, é também essencial garanti-las em sites e aplicativos. E como isso funciona na prática?

A acessibilidade pode e deve ser considerada durante todo o processo de construção de um ambiente virtual, passando pelo desenvolvimento do design à na elaboração do conteúdo.

Confira alguns pontos fundamentais de serem contemplados para garantir a acessibilidade:

Na construção do site ou do app:
– Descrição textual das imagens;
– Hierarquia de cabeçalhos para facilitar a leitura e compreensão;
– Links e atalhos de navegação;
– UX aplicada para facilitar a hierarquia e acesso às informações.

No design do site ou do app:
– Cores precisam seguir regras de contraste que contribuam para a identificação dos elementos;
– Links facilmente identificáveis;
– Todo elemento informativo, como ícone, precisa de um texto descritivo;
– O usuário precisa ter controle sobre as animações da plataforma, de forma a não dificultar sua experiência de navegação.

Na construção do conteúdo:
– Fotos, ícones, tabelas, GIFs e gráficos precisam ter descrição da imagem;
– Os conteúdos em vídeo devem ter audiodescrição;
– Todo conteúdo em vídeo deve ter legenda;
– Todo conteúdo em vídeo precisa ter tradução em libras;
– Todo conteúdo em áudio também precisa ter transcrição completa em texto;
ordem direta, voz ativa, sem figuras de linguagem ou termos pouco usuais;
– Textos precisam ter uma estrutura simples, com frases e parágrafos curtos;
– Não utilizar itálico;
– Os hiperlinks dentro dos textos devem indicar o destino do link.

Para além dos sites vinculados à empresas privadas, e considerando a importância das informações disponibilizadas por portais de órgãos públicos, é disponibilizado pelo Governo Federal materiais específicos com os direcionamentos que devem ser seguidos para garantir a acessibilidade desses ambientes virtuais – contendo desde cartilha para a correta codificação do site, até as orientações em relação ao conteúdo.

As vantagens da acessibilidade para o seu negócio

A maior vantagem de construir um site acessível é a inclusão e a igualdade entre os usuários. Mas, para um negócio, os benefícios vão muito além. Afinal, são mais de 60 milhões de pessoas que precisam de uma plataforma acessível e possíveis novos usuários para determinado site.

Uma plataforma com maior performance, maior usabilidade, também apresenta vantagem competitiva em relação aos concorrentes. Quanto melhor e mais acessível o site, com maior compatibilidade com dispositivos, sistemas e navegadores, mais visibilidade e melhor ranqueamento em buscadores como o Google.

Apostando em acessibilidade, você entrega, ainda, uma comunicação atualizada e empática, contribuindo com uma imagem positiva para sua empresa. Uma marca que investe em inclusão e igualdade, que entrega mudanças verdadeiras, tem muito mais valor perante os usuários.

A acessibilidade é, portanto, uma excelente opção para empresas que têm apostado em igualdade, em empatia e na construção de mudanças verdadeiras na web e na sociedade. E, no final, os resultados vão além da cidadania – eles chegam com efeitos positivos para a sua marca.